sábado, 22 de outubro de 2016

Polícia Civil pede socorro - Rafael Alcadipani


Rafael Alcadipani
Professor Adjunto de
Análise Organizacional e
 membro do Fórum Brasileiro
 de Segurança Pública

A Segurança Pública é vista por grande parte dos brasileiros como um dos principais problemas do Brasil. O brasileiro vive com medo de ser assaltado, sofrer um sequestro relâmpago ou até mesmo ser vítima de um latrocínio. As principais forças policiais do Brasil são as Polícias Militares, responsáveis pelo patrulhamento e repressão dos crimes, e as Polícias Civis, responsáveis pela investigação dos crimes que já aconteceram.
Imaginava-se que dada a situação de calamidade pública da Segurança Pública nacional, os nossos governos iriam investir e dar atenção as duas forças policiais de maneira igual. Além disso, investir em investigação criminal é fundamental para que quadrilhas sejam desbaratadas, criminosos sejam presos e não voltem a cometer seus crimes. Porém, não é isso que acontece.
Parte expressiva do orçamento de Segurança Pública dos Estados é dedicada às Polícias Militares. Em São Paulo, Estado mais rico da federação, a Polícia Civil está praticamente na UTI. Os salários nessa força policial, em todas as carreiras, estão abaixo da média nacional, a despeito da pujança econômica paulista. Alguns dados a respeito dos Policiais Civis de São Paulo mostram os graves problemas que essa força está enfrentando: 44% dos delegados de polícia serão idosos nos próximos anos. Apenas 3% dos policiais civis têm menos de 30 anos. Entre 2014-2016, saíram 379 delegados e apenas 48 entraram. 40% dos municípios de São Paulo não possuem delegados de polícia. 23% dos cargos de escrivão de polícia estão vagos no Estado de São Paulo. Apenas 25% dos escrivães têm menos de 40 anos. Entre 2015-2016, saíram 1319 escrivães e apenas 394 entraram. O padrão se mantém também para os investigadores de polícia. 77% deles estão acima de 40 anos. 1390 saíram e apenas 669 foram admitidos.
Esses dados mostram os motivos das dificuldades que a população encontra quando precisa dos serviços da Polícia Civil. Há poucos funcionários e a mão de obra está envelhecida. As aposentadorias na força polícia tende a agravar o quadro. E a se manter o padrão, a Polícia Civil vai encolhendo. Por outro lado, há delegados, escrivães e investigadores que passaram em concursos para serem nomeados e o governo do Estado, sem explicar o motivo, não os nomeia. Parece, sim, que o interesse do governo paulista é acabar com a sua Polícia Civil.
É urgente que sejam tomadas medidas para que a Polícia Civil saia da UTI. Isso começa com as nomeações e novos concursos para repor a falta gritante de pessoal. Mas também deve envolver uma reforma nas carreiras da força e uma valorização dos policiais. Sem uma Polícia Civil forte, ficaremos nas mãos de uma polícia truculenta e pouco inteligente.

Fonte: http://brasil.estadao.com.br/blogs/tudo-em-debate/policia-civil-pede-socorro/

"JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!"