segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

UEP DEINTER 4 responde ofício do SIPOL BAURU






Antes de mais nada gostaria de agradecer a agilidade do DELEGADO DE POLÍCIA DIRIGENTE DA UEP - BAURU, DR. LUÍS HENRIQUE FERNANDES CASARINI em responder nosso ofício protocolado em 24/02/2016.

Ao contrário do que muitos pensam a função das Entidades de Classe não é simplesmente atacar de forma deliberada a administração, muito pelo contrário, sua essência é a de facilitador, fazendo chegar as necessidades da Base aos Gestores.

Nós do SIPOL BAURU buscamos por uma POLÍCIA de ESTADO e não de GOVERNO. Nossa finalidade é atender as necessidades dos nossos Policiais para que a população seja melhor atendida, e esta sim, cobre dos governantes a pesada carga tributária que suporta sem ter um serviço público de qualidade.

"JUNTOS SOMOS MAIS FORTES"



quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

COMUNICADO FEIPOL/SE



Policiais civis de São Paulo estão mobilizados e farão manifestações, a partir de março, caso o governo do estado não conceda imediatamente as reposições salariais da categoria, que não são pagas desde 2014 e que hoje acumulam 17,5%, segundo índices do IBGE.

Na terça-feira, 23/2, ocorreram Assembleias Gerais Extraordinárias (AGEs) em sete cidades (Campinas, Santos, Ribeirão Preto, Marília, Presidente Prudente, Bauru e Mogi das Cruzes) das nove das regiões de sindicatos filiados à Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Sudeste (FEIPOL/SE). Dias 29/2 e 9/3, respectivamente, ocorrerão as AGEs das regiões de Sorocaba e Jundiaí.

Em Campinas, parte dos policiais civis se reuniu na sede do Sinpol e aprovou como principal reivindicação a reposição imediata mínima dos 17,5%, que nada mais é que o acúmulo das inflações oficiais dos anos de 2014 e 2015.  A Constituição Federal garante aos servidores que o governo do estado conceda a reposição imediatamente após ser aferido o índice inflacionário oficial. A data base salarial dos policiais civis é 1° de março.

Entre as formas de pressionar o governo a cumprir a Constituição, os policiais decidiram que podem fazer uma manifestação de rua, na Capital, com policiais civis de todas as bases sindicais e trabalhadores de outras categorias, igualmente afetados pela falta de segurança; manifestações de ruas regionalizadas nas cidades bases dos nove sindicatos ou ainda operações padrões, aquelas em que cada profissional da Polícia Civil restringe-se a cumprir minuciosamente suas atribuições, o que, com a falta de funcionários, torna o atendimento mais burocrático e moroso.

"Não queremos prejudicar a população, que já é tão penalizada com graves problemas de falta de segurança, mas há dois anos os policiais civis têm 0% de reposição salarial porque o governo de São Paulo não cumpre a Constituição Federal e isso não pode continuar", destacou Aparecido Lima de Carvalho, o Kiko, que é investigador de polícia aposentado e preside a Feipol/Se e o Sinpol de Campinas e região.

Na AGE de Campinas, não faltaram também denúncias de más condições de trabalho pelas quais passam os policiais civis, a começar pela falta de funcionários, com déficit de 25% no estado; ainda há prédios mal conservados; há falta de material de limpeza e tem faltado  verba emergencial para manutenção de viaturas, por isso, em algumas situações, houve funcionário que comprou peças com o próprio dinheiro para poder trabalhar.

"Chega! O governo tem que entender que policial não é super-herói da ficção. É ser humano que tem família para sustentar e conta para pagar.", disse o presidente do Sinpol Campinas. Segundo Aparecido Lima, muitos policiais civis têm ficado doentes e acabam afastados porque se desdobram para atender a grande carga de trabalho ou porque fazem várias funções, que não são de suas atribuições.

"Se não tiver o mínimo, que é a reposição salarial, a categoria irá às ruas mostrar para a população a real situação da Polícia Civil, uma instituição que constitucionalmente deve ser a primeira garantidora dos direitos civis individuais", salientou Kiko.

Em Campinas, a AGE dos policiais civis teve ainda as participações da presidente do Sinpol de Sorocaba, Cidinha Queiróz, de representante da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) e do assessor jurídico do Sinpol Campinas, Carlos Alberto Marchi Queiroz.     



Aparecido Lima de Carvalho

Presidente Feipol Sudeste/ Sinpol Campinas

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Publicada a Regulamentação do DEJEC.

DIÁRIO OFICIAL, Seção I terça-feira, 23 de fevereiro de 2016.

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DELEGACIA GERAL DE POLÍCIA
DR. MAURÍCIO GUIMARÃES PEREIRA

Portaria DGP-1, de 22-02-2016 Estabelece regras e critérios para o pagamento da Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Policial Civil (Dejec) no âmbito da Polícia Civil

O Delegado Geral de Polícia, Considerando que a Lei Complementar 1.280, de 13-01- 2016, instituiu a Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Policial Civil, destinada a remunerar Policiais Civis que atuem em jornada além daquela que lhes é exigida; Considerando a necessidade de serem definidos, nos termos do art. 7º da referida Lei Complementar, os critérios e as atividades a que serão submetidos os policiais civis que receberão o benefício, Determina:

Artigo 1º. O pagamento da Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Policial (Dejec), prevista na Lei Complementar 1.280, de 13-01-2016, visará:
I – nas unidades de polícia judiciária de base territorial:
a) ao esclarecimento de crimes;
b) à redução dos acervos dos cartórios criminais;
c) ao atendimento nos plantões;
II – nos núcleos especiais criminais, às atividades que lhe forem próprias;
III – à realização de policiamento preventivo especializado, nos municípios que não contarem com unidades específicas ou cujos recursos humanos não forem suficientes para tal fim;
IV – à segurança de pessoas presas, sob responsabilidade da Polícia Civil, durante o período em que estiverem recolhidas ou em deslocamentos, incluindo-se os relativos à audiência de custódia;
V – à agilização, implementação e otimização das respectivas atribuições e competências nos Departamentos Especializados, bem como nas Unidades Especializadas dos Departamentos de base territorial.

Artigo 2º. Terão direito ao recebimento da Dejec os Policiais Civis em horário de folga ou gozo de licença-prêmio e que voluntariamente se inscreverem na unidade indicada pela Diretoria Departamental para alcançar os objetivos previstos no artigo anterior, para, em dias e horários predeterminados, laborarem em unidade definida pela Administração.
§ 1º. O Policial Civil que pretender inscrever-se para cumprir jornada remunerada pela Dejec deverá apresentar prévia autorização da Autoridade Policial a que estiver subordinado.
§ 2º. A autorização de que trata o parágrafo anterior poderá ser revogada, motivadamente e a qualquer tempo, pela Autoridade Policial superior ao Policial Civil beneficiado, cabendo a ela dar ciência ao Órgão Subsetorial responsável pelo pagamento da Dejec.
§ 3º. Na hipótese do inciso V do art. 1º, a atividade somente poderá ser desempenhada por policiais civis do respectivo Departamento.

Artigo 3º. Com observância do disposto no art. 1º desta Portaria, as Diretorias Departamentais apresentarão, em 30 dias a contar da publicação desta Portaria, plano de ação especificando os objetivos eleitos e o número de policiais civis necessários em cada unidade a ser atendida.
Parágrafo único. Para os fins previstos no art. 8º, da Lei Complementar 1.280/2016, o Departamento de Administração e Planejamento elaborará planilha com a previsão das despesas decorrentes do pagamento da Dejec, de acordo com as informa- ções fornecidas pelos Departamentos indicados no caput.

Artigo 4º. O respectivo órgão Subsetorial ficará responsável pela inscrição e controle das frequências dos Policiais Civis que tiverem direito ao recebimento da Dejec, observados os limites estabelecidos no art. 1º, § 1º, da L.C. 1.280/2016 e deverá adotar as providências necessárias para inclusão em folha de pagamento do servidor na forma do art. 2º, parágrafo único, da mesma lei.

Artigo 5º. Após a autorização governamental para a realização da Dejec, caberá ao Departamento de Administração e Planejamento da Polícia compilar os dados recebidos dos Órgãos de Execução e efetuar acompanhamento dos resultados, analisando objetivos, pessoal envolvido e despesas, dentre outros critérios que entender convenientes, apresentando relatório trimestral à Delegacia Geral de Polícia Adjunta.

Artigo 6º. Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

SIPOL BAURU solicita a disponibilização de cursos aos POLICIAIS CIVIS do DEINTER 4!







Visando a reciclagem, aprimoramento e capacitação do POLICIAL CIVIL por conta dos cursos oferecidos pela ACADEMIA DE POLÍCIA na presente data protocolamos junto à UEP local cursos que devem ser imediatamente disponibilizados aos COLEGAS lotados nos 89 municípios da área de atuação do DEINTER 4. Acima temos cópia do requerimento devidamente protocolado.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

A AGE de BAURU foi um sucesso!








Conforme amplamente divulgado na presente noite se deu a ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA do SIPOL BAURU. Diversos POLICIAIS CIVIS de várias carreiras e inclusive de outros municípios compareceram e puderam expressar suas dificuldades, bem como sugestões para termos uma Instituição melhor.

O diferencial de nossa ASSEMBLÉIA foi a presença de alguns colegas que foram aprovados no último concurso realizado em 2013 e estão extremamente ansiosos para engrossar nossas fileiras, por conta disso, aliado ao efetivo reduzido (acreditamos que nunca passamos por uma dificuldade tão grande no que se refere a efetivo na história de nossa Instituição), colocamos como um dos itens de nossa pauta de reivindicações a nomeação imediata deste concursados.

Nossa AGE transcorreu de forma absolutamente tranquila e todos os pontos indicados na pauta foram exaustivamente discutidos, e dentro do melhor espírito democrático todos foram aprovados por unanimidade, sendo que as idéias vencidas entenderam o que lhes foi colocado apoiando incondicionalmente as idéias vencedoras.

Como determina a Lei, nossa pauta será registrada em cartório, em seguida encaminhada à FEIPOL/SE para as comunicações de praxe e só depois a tornaremos pública.

Nosso muito obrigado a todos que compareceram e efetivamente participaram de nossa AGE, e mais do que nunca tenho orgulho em dizer:

"JUNTOS SOMOS MAIS FORTES"

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Entidades de Classe Regionais se unem e abrem várias frentes de batalha em prol dos POLICIAIS CIVIS BANDEIRANTES!




Despidas de qualquer espécie de vaidade, as Entidades de Classe Regionais estão mais Unidas do que nunca visando restabelecer tudo aquilo que nos foi tirado durante vários anos. Tendo a FEIPOL/SE como nossa interlocutora, várias frentes de batalha estão sendo abertas e o resultado positivo com certeza coroará esta União.

ASSEMBLÉIAS GERAIS EXTRAORDINÁRIAS - espalhadas por todo o estado para que os Policiais Civis, filiados ou não, tenham vez e voz na campanha salarial de 2016, de forma inédita apresenta apenas um interlocutor com o Estado para que durante a negociação não repetirmos os erros do passado no qual em as Carreiras foram literalmente colocadas em rota de colisão de tal sorte que todos perderam, uns mais e outros menos, mas sem sombra de dúvidas todos perderam pois demoramos 8 (oito) longos anos para nos organizarmos novamente.

GRUPO DE ESTUDOS VISANDO A REESTRUTURAÇÃO - É a primeira vez que uma entidade de classe a qual representa os Gestores e Operacionais terá oportunidade de ser ouvida. Sempre o PODER POLÍTICO baseado no ACHISMO nos enfia goela abaixo o que burocratas que nunca sentiram o cheiro de um ladrão de perto, acham que redescobriram a roda, e tentam implementar planos milagrosos - VEJAM O EXEMPLO DO BÔNUS. Nas nossas reuniões já evoluímos muito e dois pontos são pacíficos: o fim da promoção por merecimento à classe especial (o critério deve ser objetivo como nas demais classes) e uma oxigenação maior entre as classes, foge do bom senso o interstício de 15 (quinze) longos anos entre a 3ª e a 2ª classe.

EQUIPAMENTO APROPRIADO - Não podemos (e não vamos) aceitar que nossos irmãos tombem por estar literalmente desarmados quando precisarem fazer uso do equipamento que o próprio ESTADO disponibiliza. Vamos fazer o possível e o impossível para que esta BUROCRACIA BURRA não impeça que equipamento de qualidade seja adquiridos e disponibilizados para nossos irmãos. Vivemos num dos países mais violentos do mundo, assim exigimos que os melhores equipamentos do mundo também sejam adquiridos e não serão regulamentos e portarias, sem qualquer razão para existir, que irão nos impedir disso.

Sugestões são muito bem vindas e estamos prontos para receber qualquer espécie de crítica, que tenha razão de ser, mas não admitiremos que as pessoas descarreguem em nós todas suas limitações e frustrações.

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

MAURÍCIO BOTELHO, NOSSO PRIMEIRO DELEGADO SINDICAL!

Marcelo Sousa, Diretor de Patrimônio; Alexandre Bernardino, Diretor Jurídico; Marcelo Fonseca, Secretário Geral; Silvana Zago, Vice Presidente, Márcio Cunha, Presidente; e Maurício Botelho, Delegado Sindical.


Na presente data a diretoria do SIPOL BAURU foi até Jaú para conhecer a realidade dos colegas lotados na região. E não nos surpreendemos com o que encontramos, assim como em todo o Estado, a falta de policiais é absurda. Ficamos extremamente satisfeitos em ver o comprometimento dos colegas com a população, mesmo na dificuldade eles dispensam um atendimento diferenciado com cordialidade e presteza.

Vários temas foram debatidos e providências serão adotadas nos próximos dias.

Tivemos a grata surpresa com o desprendimento do Professor Universitário, Palestrante, Músico e Escrivão de Polícia da DISE, MAURÍCIO BOTELHO, o qual entendeu nossa mensagem e não fugiu da responsabilidade após ser aclamado pelos colegas como nosso representante daquela região.

MAURÍCIO, seja muito bem vindo à família SIPOL BAURU, conte sempre conosco!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Quais são os tipos de mentira?



Benjamin Disraeli, 1.º Conde de Beaconsfield KGPCFRS (Londres21 de dezembro de 1804 – Londres, 19 de abril de 1881) foi um político Conservador britânico, escritor, aristocrata e Primeiro-Ministro do Reino Unido em duas ocasiões. Ele teve papel central na criação do Partido Conservador moderno, definindo suas políticas e ampla divulgação. Disraeli é mais lembrado por sua influência em assuntos internacionais, suas batalhas políticas com William Ewart Gladstone, líder do Partido Liberal, e seu conservadorismo. Ele fez com que seu partido ficasse mais identificado com a glória e poder do Império Britânico.

fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Benjamin_Disraeli

A primeira vez que tive contato com tal assertiva se deu quando me graduava pela FACULDADE DE DIREITO DE BAURU, na matéria DIREITO CONSTITUCIONAL, onde seguia a obra Curso de Direito Constitucional Positivo do doutrinador JOSÉ AFONSO DA SILVA (Procurador do ESTADO DE SÃO PAULO aposentado) que foi SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA do Estado de São Paulo de 1995 a 1999. Não podemos negar que nosso Estado tem tradição em indicar pessoas diferenciadas para esta pasta, contudo a nossa dura realidade nunca muda!

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Sigilo por 50 anos? E agora?




    JCNET.com.br
Nacional

Governo de São Paulo decreta sigilo de 50 anos em registros policiais


O governo do estado de São Paulo decretou sigilo de 50 anos para dados dos boletins de ocorrência registrados pela polícia. A classificação de documentos, dados e informações pessoais e sigilosos, que podem chegar a até 100 anos de sigilo, foi definida pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) e publicada no Diário Oficial do estado no começo deste mês.

De acordo com o decreto, permanecerá em sigilo, por cinco décadas, o “histórico de registro digital de ocorrência e boletim eletrônico de ocorrência, quando não for possível a proteção dos dados pessoais dos envolvidos e testemunhas”. Especialistas afirmam que a falta de acesso aos boletins pode prejudicar estudos de violência e até o confronto de dados estatísticos dos crimes divulgados pela SSP.

“O que se quer fazer com isso é acobertar o cometimento de ilicitudes pelo Estado, a meu ver. Porque fazer pesquisas em boletins de ocorrência é instrumento para aferir uma série de questões relativas, por exemplo, à violência policial, abusos do poder estatal ou à letalidade da polícia”, disse o professor de direito constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Pedro Estevam Serrano. “São dados que a sociedade tem que controlar para evitar o abuso. Para mim, o que está se fazendo é utilizando, com desvio e abuso do poder, a lei de informação”, acrescentou.

Segundo Serrano, sigilos de longo tempo são aplicados apenas para documentos que ofereçam risco para a vida social, integridade da sociedade ou segurança nacional, o que não é o caso dos boletins de ocorrência. Ele deu como exemplo documentos referentes a interesses estratégicos do país: em um caso hipotético, o sigilo caberia a uma lista de espiões que o país poderia ter no exterior.

“A lei está impedindo,  e não o viabilizando o acesso aqui no estado de São Paulo, pelo menos. Ou seja, a lei está sendo usada fora do que determina a Constituição. Essa proibição de 50 anos para boletim de ocorrência é inconstitucional”, afirmou Serrano. “O que ocorre é um desvio de poder na aplicação da lei, porque o que se quer aí, na realidade, é impedir o controle da sociedade sobre a atividade policial. E esse controle é permitido pela Constituição”, completou.

A Secretaria de Segurança esclareceu, porém, que o conteúdo dos boletins de ocorrência só não poderá ser divulgado quando expuser dados individuais do cidadão ou permitir a identificação de envolvidos e testemunhas. Com texto diferente do publicado no Diário Oficial, a secretaria divulgou nota na qual diz que existe “ampla possibilidade de acesso a dados objetivos dos registros de ocorrências, somente estabelecendo o sigilo em relação a dados pessoais, como determina a lei”. Segundo a nota, não houve nenhuma alteração do que já estava sendo fornecido pela SSP.

Em exemplo da própria secretaria, os efetivos das Polícias Militar, Civil e Técnico-Científica, assim como o quadro geral, são considerados públicos. “Porém, todas as informações referentes diretamente ao planejamento estratégico do combate à criminalidade devem ser preservadas pela necessidade de garantir a segurança da sociedade”, diz a secretaria.

Além disso, a SSP destaca que as informações e dados sobre controle, distribuição e uso de efetivo existente, bem como sobre distribuição, alocação e registro de viaturas, são considerados sigilosos e de caráter reservado.

fonte: http://www.jcnet.com.br/Nacional/2016/02/governo-de-sao-paulo-decreta-sigilo-de-50-anos-em-registros-policiais.html

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

AGE de 23/02/2016!




Na presente manhã a diretoria do SIPOL BAURU se reuniu para deliberar sobre a pauta de reivindicações e as formas de manifestações a serem adotadas no movimento que se avizinha. Tendo um vista o total silêncio do governo a mais de um ano, momento que conseguimos certa proximidade, mas em nada evoluímos com relação a benefícios para a categoria, chegou o momento da BASE se pronunciar. Sob a batuta da FEIPOL/SE nossa legítima interlocutora formularemos uma pauta única para ser apresentada ao Governo do Estado, e as nossas sugestões já foram encaminhadas. Vale lembrar que o momento é de mobilização e união e que nós representantes das entidades de classe somos meros interlocutores dos anseios de nossos representados, assim é de suma que todos compareceram nas ASSEMBLEIAS GERAIS EXTRAORDINÁRIAS que serão realizadas em diversos pontos do Estado e se posicionem sobre o que lhes for apresentado. Nunca é demais lembrar que as AGE são soberanas e o que for decido pela maioria será acatado por todos dentro do melhor espírito democrático.

"JUNTOS SOMOS FORTES"

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Agora estamos no Twitter!



@sipolbauru

Visando estreitar cada vez mais a troca de informações com nossos filiados agora estamos também no Twitter. Como o WhatsApp nos limita a grupos de 100 pessoas, acreditamos que esta rede social nos dará a dinâmica necessária para desenvolvermos um bom trabalho a frente da CAÇULA das Entidades de Classe. Conte conosco! 

"JUNTOS SOMOS FORTES"

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

domingo, 7 de fevereiro de 2016

"ARMAS ASSASSINAS - OS PRIMEIROS PASSOS FORAM DADOS"




Ao contrário do que muitos pensam ao ler o título deste artigo nós do SIPOL BAURU não somos favoráveis a nenhuma campanha visando o desarmamento, muito pelo contrário, nós enquanto profissionais de SEGURANÇA PÚBLICA a temos como instrumento de trabalho, contudo, o que podemos constatar é que diuturnamente IRMÃOS POLICIAIS tombam quando necessitam utilizar o armamento que o próprio ESTADO disponibiliza.

Por conta disso este tema foi exaustivamente discutido pelos PRESIDENTES DAS ENTIDADES DE CLASSE REGIONAIS na reunião realizada pela FEIPOL/SE na última quinta-feira dia 04/02/16, resultando na elaboração de uma representação a qual será protocolada na DELEGACIA GERAL DE POLÍCIA assim que se encerre o período de carnaval.

Qual não foi a nossa grata surpresa quando um dos diretores do SIPOL BAURU nos encaminhou a publicação abaixo:



Com isso um novo horizonte se abriu. Nas primeiras horas do expediente da semana que vem iremos entrar em contato com a assessoria do EXMO DEPUTADO ESTADUAL ORLANDO MORANDO e encaminharemos ao mesmo cópia da representação da DGP, bem como nos colocaremos à disposição para auxiliar no que for possível na apuração que se iniciará.

Nós do SIPOL BAURU, assim como todos os PRESIDENTES que integram à FEIPOL/SE, contamos com o apoio incondicional a esta causa pelo POLICIAL CIVIL e EXMO DEPUTADO ESTADUAL "DELEGADO OLIM" assim como dos DEPUTADOS ESTADUAIS E FEDERAIS provenientes da POLÍCIA MILITAR.

Qualquer posição diferente desta fará que seu detentor tenha suas mãos sujas pelo SANGUE daquele que deixa a sua família todos os dias para defender quem nem conhece, colocando em risco a própria vida se necessário. E foge completamente à razão e bom senso que este profissional se encontre literalmente desarmado no momento do confronto pela ineficácia do equipamento.

Com relação aos fabricantes eles são os maiores interessados em demonstrar a qualidade de seu produto e acabar de uma vez por todas com esta verdadeira LENDA URBANA que determinada arma não presta.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

FEIPOL SUDESTE PRIORIZA RESGATE DE DIGNIDADE DAS CARREIRAS DA POLÍCIA CIVIL


Presidentes; Fabio - Presidente Prudente, Celso - Marilia , Kiko - Campinas, Eumauri - Ribeirão Prerto, Marcio Pino - Santos, Marcio Cunha - Bauru, Valdir - Mogi das Cruzes


Com índices de defasagem de policiais que chegam aos 25% e há dois anos sem que os servidores da categoria recebam do Governo do Estado, sequer a reposição salarial, que é a inflação do período de doze meses, representantes sindicais dos Policiais Civis do estado de São Paulo querem fazer prioridade, neste ano de 2016, o resgate e a valorização de todas as carreiras da categoria. Na quinta-feira, 04/02/16, a Feipol Sudeste realizou reunião com representantes de seus nove sindicatos regionais filiados (Campinas, Ribeirão Preto, Marília, Presidente Prudente, Jundiaí, Santos, Sorocaba, Bauru e Mogi das Cruzes). O encontro, de mais de quatro horas e com oito pontos em discussão, foi na sede do Sinpol de Campinas e região, rua Marechal Deodoro, 75, bairro Botafogo, em Campinas, com os trabalhos coordenados pelo presidente da Feipol Sudeste e do Sinpol Campinas, Aparecido Lima de Carvalho, o Kiko.

Na ocasião, todos os representantes de suas bases sindicais puderam expor suas opiniões sobre temas que foram de uma reorganização da Lei Orgânica da Polícia Civil a assuntos como a regulamentação da Dejec (diária especial aos policiais); quais serão as formas de mobilização, caso o governo continue a não acenar sobre reposição; equipamentos (inclusive armas e viaturas), que estariam chegando com defeitos e colocando em risco policiais; direito à aposentadoria especial e proposta de minuta de lei que resgate a principal vocação da Policia Civil, que é investigar e solucionar crime de autoria desconhecida.

O presidente da Feipol Sudeste, Aparecido Lima, que este ano já esteve em reunião com o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes e manteve uma conversa, ainda que informal, com o governador Geraldo Alckmin, em Americana, onde cobrou a reposição salarial da categoria, que chegou ao índice de 10,6%, só no ano passado, considerou o encontro em Campinas bastante positivo. Ele destacou a participação das lideranças regionais interessadas nos anseios da categoria, sendo que alguns dos sindicalistas viajaram mais de 500 quilômetros para participarem da reunião. “Todas as carreiras da Polícia Civil têm o seu valor, nossa batalha continuará incansável em busca do respeito e dignidade que nossa categoria merece”, destacou Kiko, que é investigador de Polícia Civil aposentado.

No dia 23/02/2016, nas nove sedes dos sindicatos regionais filiados à Feipol Sudeste, acontecerão Assembléias Gerais Extraordinárias, nas quais serão deliberadas pautas com as principais reivindicações da categoria para este ano de 2016. Reposição nos quadros de funcionários e a valorização das carreiras com a instituição de salários compatíveis com o nível universitário exigido para o desempenho das funções estarão entre as principais reivindicações. Também devem ser deliberadas formas de protestos, com paralisações parciais ou “operação padrão”, caso não haja, por parte do governo, nenhuma sinalização de pagamento das reposições salariais atrasadas há dois anos e que, por força da Constituição Federal, deveriam ser quitadas no ano de vigência.

Att, 

Aparecido Lima de Carvalho 
Presidente Sinpol Campinas/ Feipol Sudeste 

Grupo de presidentes e diretores dos sindicatos filiados a Feipol Sudeste
Reunião de trabalho


fonte:
http://www.sinpolcampinas.org.br/#!FEIPOL-SUDESTE-PRIORIZA-RESGATE-DE-DIGNIDADE-DAS-CARREIRAS-DA-POLÍCIA-CIVIL/ccge/56b493fc0cf2b4e0b61b9f14

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016


Nossos agradecimentos aos colegas que honraram a POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO!