domingo, 31 de janeiro de 2016

FEIPOL reunirá líderes de Entidades de Classe!



O SIPOL BAURU extremamente preocupado com o armamento disponibilizado aos POLICIAIS CIVIS irá repercutir o assunto com as demais entidades de classe para que a FEIPOL interceda junto à SSP e ao EXÉRCITO para a POLÍCIA CIVIL através de uma concorrência internacional providenciar um equipamento condizente com nossa necessidade. Se tivermos que tombar em um confronto temos que ter as mínimas condições de responder ao fogo da criminalidade à altura.

O texto abaixo foi extraído integralmente do site do SIPOL PRUDENTE.

Lideranças das Entidades de Classe vão se reunir na sede do SINPOL Campinas, sob coordenação da FEIPOL para discutir o futuro das reuniões de trabalho na Secretaria de Segurança Pública, garantindo assim que todas as Regiões apresentem suas peculiaridades.

COMEÇOU TARDE

Trabalhar sozinho não dá. As lideranças estão no caminho certo. Visando a união de desígnios, deixando muito claro ao Governo a mobilização que se avizinha por conta das dificuldades enfrentadas pelos servidores policiais civis. Esperamos que todos os líderes se compenetrem da necessidade de união pela classe e não pela Entidade.

NOSSOS MAIORES PROBLEMAS

-Poucos chegam à classe especial. 
-Não há reposição salarial. 
-Não se reconhece a Lei 144/15. 
-Cria-se mecanismos contra a integralidade salarial. 
-Absurda e ilegalmente um parecer “autoriza” o governo a tirar a classe conquistada pelo policial quando se aposenta antes de completar 5 anos na classe.
-Nível universitário anunciado pelo Governador (em 25/09/2013) ao lado do Delegado Geral e do SSP abertamente à imprensa totalmente “reconfigurado” um dia depois.
-Falta de servidores. 
-Excesso de unidades em cidades menores dividindo o quadro e agravando a situação.

Entre outras situações.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Absurdo!!! Quase tivemos mais uma tragédia!!!




As imagens acima chegaram ao nosso conhecimento na presente madrugada o que nos deixou ainda mais preocupados com o tipo de equipamento que nossos POLICIAIS CIVIS são equipados!

As circunstâncias serão devidamente apuradas e as medidas pertinentes adotadas com a celeridade que o caso requer.

Informalmente apuramos que cerca de 6.000 POLICIAIS CIVIS possuem carga da pistola IMBEL MD6 calibre .40. No caso acima um colega estava em um treinamento onde efetuou cerca de 60 disparos. Ao fazer o CHECK de segurança observou que entre a empunhadura e o ferrolho havia uma rachadura a qual interligava a trava de segurança da empunhadura até o gatilho. Se mais disparos fossem realizados as conseqüências seriam imprevisíveis.

Publico este artigo com a mais absoluta paz na consciência pois eu presenciei uma destas armas quebrando quando um colega realizava disparos ao meu lado e o retém da mola recuperadora do ferrolho simplesmente quebrou expelindo a mola para longe, a sorte do meu colega é que estávamos em um estande treinando.

Volto a pedir que os colegas treinem com suas armas, pois assim como o limpador de para-brisa do carro, o problema só será apresentado quando a mesma for utilizada, e o melhor lugar (ou único lugar) que isso deve acontecer é no estande de tiro.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Operação LENÇÓIS PAULISTA - Bela homenagem realizada pelo INVESTPOL MARCOS CAIADO (MARCÃO DO GARRA)








"*VÍDEO PARA AQUELES QUE GOSTAM DE ADRENALINA*

Uma HOMENAGEM aos GUERREIROS DA POLÍCIA CIVIL!!!

Não só aos que participaram dessa OPERAÇÃO, mas também aqueles que todos os dias trabalham arduamente e voltam todos os dias com a sensação de dever cumprido."

JUNTOS SOMOS FORTES!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

União das Entidades de Classe Regionais!




Tenho a grata satisfação de informar que todas, repito, TODAS entidades de classe com base regional as quais contemplam TODAS as carreiras da NOSSA Instituição estão em perfeita harmonia e mantém contato constante numa sincronia jamais vista.

Nosso foco neste momento é a REESTRUTURAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO, mas diversos outros assuntos são tratados, dentre eles o que mais nos aflige neste momento - A ABSURDA FALTA DE REPOSIÇÃO SALARIAL!

Este fato só foi possível graças a existência da FEIPOL SUDESTE a qual é a legítima interlocutora das entidades representativas, face tamanha pluralidade de Associações e Sindicatos.

Em primeira mão informo a todos que dentro de muito pouco tempo teremos o nascimento de mais duas entidades regionais as quais também atenderão TODAS as carreiras. 

Vale lembrar que nós Presidentes somos meros interlocutores de nossa base, a qual deve estar mais mobilizada do que nunca e atenta aos acontecimentos, pois a convocação para ASSEMBLEIA GERAL pode ser necessária a qualquer momento.

Colega Policial Civil (gestor e operacional) confie neste novo trabalho que está sendo realizado. Precisamos do seu apoio, pois JUNTOS SOMOS FORTES!


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

"CANA MONSTRO" da DISE de BAURU SP.




Bando é preso com 600 quilos de maconha em Bauru

Operação deteve 12 pessoas, entre elas um dos maiores traficantes da cidade, que chegava de Ponta Porã (MS) com grande carregamento da droga


A Polícia Civil de Bauru desarticulou, na noite dessa segunda-feira (25), uma das principais quadrilhas da cidade vinculadas ao tráfico de drogas. Ao todo, cerca de 600 quilos de maconha foram apreendidos e 12 pessoas - entre elas um dos maiores traficantes do município - presas na operação.

O cerco foi realizado após a Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) acompanhar, inclusive com filmagens, a movimentação da organização criminosa durante os últimos dez dias. Segundo o delegado Cledson Nascimento, um dos presos, inicialmente identificado como Bacuri, era o chefe do grupo.

“Nascido em Barra Bonita, ele usava o nome falso de Johnatan e vinha, já há algum tempo, promovendo o tráfico de drogas em Bauru, com distribuição de drogas em larga escala, principalmente maconha”, detalha. Os nomes dos membros da quadrilha não foram informados até a madrugada desta terça-feira (26) pela Polícia Civil, que trabalhou ao longo de toda a noite para o registro da ocorrência.

A prisão do primeiro integrante ocorreu ainda no período da tarde, em um apartamento localizado em um prédio residencial do Jardim Chapadão. Um dos integrantes, a quem Bacuri fornecia drogas, foi flagrado com 12 quilos de maconha e cerca de R$ 5 mil.

As investigações haviam apontado que, na noite dessa segunda, o chefe da quadrilha chegaria com parte do grupo a uma casa localizado na quadra 1 da rua Irineu Marques Ferreira, no Conjunto Habitacional Isaura Pitta Garms (Bauru 1). Os traficantes vinham de uma viagem a Ponta Porã (MS), de onde trouxeram um carregamento de drogas oriundo do Paraguai.

“Eles foram para lá no dia 20 de janeiro. Filmamos a movimentação neste imóvel quando eles ainda estavam se preparando para a viagem”, revela o delegado. Com mandados de busca e apreensão, por volta das 18h, as equipes da Dise realizaram o cerco à residência, de onde a droga começaria a ser distribuída.

Armas e drogas
10 dias
Foi o tempo que a Polícia Civil monitorou quadrilha
Na casa, foram presas 11 pessoas, sendo uma mulher e dez homens - um deles cadeirante. No local, também foram apreendidos dois revólveres, duas peças grandes de haxixe, uma quantia não informada de crack e cerca de 600 quilos de maconha.

A maior parte do entorpecente ainda estava dentro de dois veículos que fizeram o transporte de Ponta Porã a Bauru. Assim como estes, também foram apreendidos outros três automóveis utilizados como escolta, que seguiam à frente dos demais para informar a eventual presença de policiais rodoviários ao longo do trajeto.

Segundo Nascimento, os 12 presos foram autuados por tráfico e associação para o tráfico. Todos eram moradores de Bauru, a exceção de um deles, morador do Mato Grosso do Sul, que veio à cidade para acompanhar a pesagem da droga e finalizar a negociação dos traficantes de Bauru com os fornecedores da fronteira.
Distribuidor

Segundo o delegado Cledson Nascimento, a operação dessa segunda resultou em uma das maiores apreensões realizadas nos últimos anos pela Polícia Civil de Bauru. “Foi um golpe muito duro no tráfico da cidade, porque tiramos uma grande organização criminosa de circulação. O chefe era um grande distribuidor e, com certeza, esta droga abasteceria inúmeros traficantes em Bauru”, destaca.

Fotos Exclusivas do SIPOL BAURU






Fonte:
http://www.jcnet.com.br/Policia/2016/01/policia-civil-flagra-quadrilha-com-600-quilos-de-maconha-e-prende-12.html

domingo, 24 de janeiro de 2016

Nota de Falecimento


É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do colega EDSON IVO HONÓRIO DA SILVA.

Edson faleceu hoje às 05h50m no município de Pirajuí SP, onde passava por um tratamento de saúde.

O velório será na Funerária HGF localizada na Rua João da Silva 249, Centro, Pirajuí SP (próximo da Rodoviária).

O enterro será às 17h00 no Cemitério de Pirajuí SP.

Nosso mais profundo voto de pesar aos familiares, a quem informo que EDSINHO era muito querido de todos colegas. Ele sempre se aproximava com um sorriso no rosto e palavras de conforto para todos. Tenha um bom descanso meu irmão, a POLÍCIA CIVIL perde com sua partida prematura.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Deputado Estadual Fernando Cury recebe SIPOL BAURU!

Assessor Carlos Malagutte, Márcio Cunha, DEPUTADO ESTADUAL Fernando Cury, Silvana Zago e Marcelo Fonseca.

Na presente tarde estivemos no escritório político do DEPUTADO ESTADUAL FERNANDO CURY, onde tivemos oportunidade de apresentar as dificuldades enfrentadas pelos POLICIAIS CIVIS PAULISTAS e a forma que a reestruturação em curso pode beneficiar a população. Num encontro extremamente franco e produtivo conseguimos mais um importante aliado na incansável busca por uma INSTITUIÇÃO mais forte.

O texto abaixo tomamos a liberdade de retirar do facebook do DEPUTADO:

"REPRESENTANTES DO SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS BUSCAM APOIO PARA REESTRUTURAÇÃO DE CARREIRAS

Recebi há pouco uma comitiva do Sindicato dos Policiais Civis (Sipol) do Deinter 4 - Regional Bauru - que abrange 89 municípios daquela região. Estiveram comigo o Márcio Cunha, presidente do Sindicato; além dos escrivães Marcelo Fonseca e Silvana Zago. Pudemos nos conhecer melhor e também conversar sobre a futura reestruturação da Polícia Civil no Estado de São Paulo, em todos os seus níveis de carreira (delegado, escrivão, investigador, perito, etc). Existe um projeto de reestruturação, de iniciativa do Governo do Estado, que será amplamente discutido, inclusive com a participação da Federação Interestadual dos Policiais (Feipol) - das regiões Sul e Sudeste.


Como membro da Comissão de Segurança Pública e Assuntos Penitenciários da Assembleia Legislativa terei condições e farei questão de colaborar com esse processo. ‪#‎tamojunto‬"

domingo, 10 de janeiro de 2016

REESTRUTURAÇÃO - Sua sugestão será encaminhada à FEIPOL!




O Secretário de Segurança Pública agiu de forma correta em viabilizar a participação dos Polícias Civis de todas as carreiras neste "novo" projeto de restruturação.

Nós somos a POLÍCIA CIVIL BANDEIRANTE. 

Nós é que personificamos com nossas ações a NOSSA INSTITUIÇÃO.

Ninguém conhece a POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO mais do que nós.

Nós somos "experts" em POLÍCIA JUDICIÁRIA.

Nós detemos o CICLO COMPLETO que todos defendem com unhas e dentes neste momento.

Nós, e ninguém mais, sabemos como melhorar o atendimento para nossa sofrida população e não há como falar em nenhuma espécie de melhora sem uma PROFUNDA OXIGENAÇÃO na nossa SECULAR POLÍCIA CIDADÃ.

Esta oxigenação tem nome: REFORMA, RECONSTRUÇÃO, REMODELAÇÃO... qualquer um pode dar o nome que bem entender, mas para nós POLICIAIS CIVIS se chama REESTRUTURAÇÃO.

Se ela vai frutificar ou não também só depende de nós mesmos. Temos que participar, cobrar, reclamar, exigir, enfim devemos nos manifestar de todas as formas. Mas o que realmente vai ajudar e muito neste momento é sua sugestão.

Aguardo seu contato o quanto antes através do e-mail SIPOLBAURU@HOTMAIL.COM para encaminhá-lo à FEIPOL, nossa legítima representante. Se por um motivo ou outro temos uma pluralidade de entidades nos representando, e o SINDICATO ÚNICO ainda não ser uma realidade, a FEDERAÇÃO deve representar todas as carreiras neste momento ímpar que vivemos.

Só obteremos sucesso nesta empreitada se nos mantermos unidos e mobilizados.

Contem com o SIPOL BAURU!



quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

CCJ da CÂMARA DOS DEPUTADOS volta a analisar mudanças na organização das Polícias.

CORPORATIVISMO
O atual modelo de segurança pública praticado pelo Brasil está completamente ultrapassado. É imperativo a implementação de severas mudanças. Este modelo não contempla ninguém! Não atende o esperado pelo Estado! Não atende as necessidades dos Policiais! Não atende o anseio da População!
Nós do SIPOL BAURU defendemos uma Polícia Única e Desmilitarizada.

06/01/2016 - 15h14

Mudanças na organização das polícias voltam à pauta da CCJ neste ano

Corporativismo das polícias Civil e Militar dificultam mudanças, segundo deputados e especialistas
No início dos trabalhos legislativos, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) deve analisar propostas que estabelecem mudanças na organização das polícias no Brasil. Das ideias para melhorar a segurança pública no País, a criação de uma polícia unificada, unindo policiais civis e militares numa mesma instituição, e a instalação do chamado ciclo completo de polícia provocaram polêmicas em 12 seminários realizados pela CCJ, ao longo de dois meses, no segundo semestre do ano passado.
O ciclo completo de polícia se dá quando uma mesma força policial lida com a prevenção, a repressão, a ocorrência criminal e a investigação. No Brasil, as tarefas são divididas: a Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal são responsáveis pela prevenção e repressão, e as polícias Civil e Federal, pela investigação.
Unificação e extinção
As mudanças são tema de sete propostas de emenda à Constituição (PEC 430/09 e seisapensadas) em tramitação na Câmara dos Deputados. Algumas propostas preveem a unificação das polícias e investigações, com a extinção da Polícia Militar.

Dep. Subtenente Gonzaga
Subtenente Gonzaga: como não têm a atribuição de investigar, as polícias militares e rodoviárias federais jogam fora o material de investigação
Outras, como a PEC 431/14, do deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG), amplia a competência da PM, dando-lhe atribuições de Polícia Judiciária, com poderes de investigação.
relatório do deputado Raul Jungmann (PPS-PE), pelaadmissibilidade das propostas, foi apresentado na CCJ poucos dias antes do início do recesso parlamentar e está na pauta de votações do colegiado. Os trabalhos legislativos voltam em 2 de fevereiro. Aprovadas na CCJ, as propostas serão analisadas por comissão especial.
Investigações desperdiçadas
Subtenente Gonzaga afirma que, como não têm a atribuição de investigar, as polícias militares e rodoviárias federais jogam fora o material de investigação coletado pelo Brasil afora durante a rotina policial, dados que poderiam ser úteis no processo.

Ele acredita que sua proposta resolve um problema de deslocamento: "No território que tiver mais de uma polícia, aquela que atender o flagrante, ela encerra o flagrante, e tudo o que depender de investigação nesse território, encaminha para Polícia Civil ou para a Polícia Federal. Agora, naquele território, naquele município, onde só tiver uma polícia, que ela possa fazer o ciclo completo."
Corporativismo
Em novembro, durante audiência na CCJ, deputados e especialistas compartilharam a opinião de que o principal fator a ser superado para discutir uma mudança no sistema de polícias no Brasil é o corporativismo dos envolvidos, principalmente a Polícia Civil e a Polícia Militar.

Segundo o ex-secretário-adjunto de Segurança Pública de Minas Gerais, Luís Flávio Sapori, o corporativismo das duas polícias impede o avanço da discussão, pois nenhuma das duas quer perder ou abrir mão de seu poder específico.
Ele contou que fez uma tentativa de integração no seu estado, mas esbarrou em interesses corporativos, como disputa de status, poder e salários: "Se não houver um acordo, um consenso, entre delegados das polícias civis e os oficiais das polícias militares do Brasil, nós não vamos conseguir reformar o sistema policial, porque os interesses corporativos de ambas as partes são muito fortes".
Reportagem – Luiz Cláudio Canuto
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'

SIPOL PRUDENTE divulga relatório sobre reunião com SSP.


RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA NA SSP
A reunião do dia 06/01/2016 teve início às 15h45m As Entidades cobraram enfaticamente a reposição salarial do ano de 2015, que não pode ser esquecida. Conhecemos muito bem o passado em outros Governos em que os salários dos Servidores Policiais Civis sofreram profunda defasagem, até hoje impactados.
Não só. Também foi cobrada a reposição salarial para 2016. Assim sendo, a reposição salarial de 2015, ainda que tardia, é um imperativo, não podemos abrir mão. O Governo tem Secretarias de Planejamento e Gestão justamente para planejar o futuro e gerir o presente. Não ter dinheiro agora é sinal de má previsão, planejamento e de gestão financeiramente mais contundente em outros setores que não o de pessoal policial.
Foi incisivamente cobrado o reajuste da Ajuda de Custo Alimentação.
A reposição de servidores foi um capítulo a parte. Não precisamos explicar a nenhum dos leitores a situação caótica em que se encontra o quadro de pessoal. Os fins não podem justificar os meios. Não é justo o administrador olhar apenas para metas, esquecendo de lutar por sua Instituição, enquanto massacra o servidor, tolhendo-lhe momentos de descanso e de pouco lazer.
Vislumbrando esse objetivo que, no passado, nos deixaram alguns poucos, o presente legado.
A antiga política do “ESTÁ TUDO BEM NA MINHA REGIÃO” é ultrapassada, superada mesmo.
Ao bom gerente TUDO NUNCA ESTÁ BEM. Pois se estivesse, ele não seria necessário.
Cabe ao Governo valorizar seus servidores. Jogar a responsabilidade de melhorar o atendimento exclusivamente nas costas do Policial é assistir de camarote ao fim do fim, e assinar um fracasso histórico.
Todas as demais carreiras, agentes, carcereiros, auxiliares, etc esperam por valorização.
O salário inicial precisa ser implementado.
Precisamos que o Governo cesse com a injusta retroação na classe, na aposentadoria.
Precisamos do reconhecimento formal da paridade e integralidade.
Precisamos de melhores condições de trabalho no litoral.  O SINPOLSAN defendeu com unhas e dentes a melhora das condições de trabalho em Santos e Região.
RESPOSTAS
O Senhor Secretário Alexandre de Moraes ouviu, mais uma vez, todas as reivindicações.
E ponto a ponto foi argumentando.
1 – a arrecadação do Estado está muito ruim. O limite prudencial PODE SER ULTRAPASSADO quando o assunto é a SEGURANÇA PÚBLICA, mas só se houver dinheiro. E havendo dinheiro a prioridade do Secretário são as contratações do concurso de 2013. Declarou que este ano está disposto a não investir em  compras. Intenciona usar qualquer recurso financeiro que entrar, na valorização do pessoal;
2 – havendo possibilidade financeira no primeiro trimestre, se propôs a discutir reposição salarial de 2015.
3 – está tentando convencer o Procurador Geral do Estado a mudar o entendimento sobre a retroação na classe. Esse entendimento já mudou no MP que roda sua própria folha de pagamento.
4 – a DEJEC será sancionada no dia 13 de janeiro de 2015, pelo Governador;
5 – sugerida a contratação de funcionários administrativos para a questão burocrática da Polícia, até mesmo na confecção de ocorrências policiais;
6 – solicitou ideias de como parar de fazer as OCORRÊNCIAS NÃO CRIMINAIS, sem deixar de atender ao público. O SIPOL sugeriu guias de encaminhamento, as mesmas que o POUPA-TEMPO emite ao enviar cidadãos às unidades policiais. Encaminhamentos ao PROCOM, ao MP, à DEFENSORIA, ao CONSELHO TUTELAR, ao próprio POUPATEMPO, etc. Afinal, encaminhar É ATENDER;
7 – indicará membros das Entidades para compor grupos de Estudos de interesse dos Policiais Civis.

fonte: http://sipol.com.br/?p=1509#more-1509

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

reunião na SSP em 06/01/16 - o SIPOL BAURU não participará!

Temos que arregaçar as mangas e lutarmos pelos nossos direitos!
Amanhã às 15h00 haverá uma reunião na SSP na qual os integrantes da FEIPOL participarão. Até onde chegou ao nosso conhecimento esta reunião foi marcada pelo próprio SSP, contudo a pauta não nos foi informada.

Desejamos sorte aos Policiais Civis que representarão suas Entidades em tão importante encontro.

Estamos céticos com tal reunião, haja vista que em 2015 não conseguimos absolutamente nada do que nos foi prometido pelo Sr. SSP.

Será que passaremos mais um ano contemplando o nosso fim sem nada fazer. No nosso ver o estado-patrão nos castiga (sem motivo, haja vista que ele mesmo divulga o fruto do nosso trabalho nas estatísticas) com a pior morte possível, a agônica!

Não podemos perder mais um ano de nossas vidas!

Não podemos acreditar em mais promessas que nunca são cumpridas!

O momento é de união! 

Deixemos nossas diferenças de lado!

Não podemos nos conformar com projetos e planos que nunca se concretizam!

Cadê a não regressão na aposentadoria?

Cadê o auxílio alimentação reajustado nos moldes da Polícia Militar?

Cadê a contratação de novos Policiais Civis?

Cadê a valorização para evitarmos o verdadeiro êxodo que assola nossas fileiras?

Cadê o DEJEC?

Afinal de contas a nossa corregedoria está subordinada à SSP ou à DGP?

O SIPOL BAURU precisa de você! Sem representatividade não teremos condições de mobilização! FILIE-SE!